terça-feira, 12 de abril de 2016

Natureza Das Coisas

(Arte: Zurco)
"Não sei muito sobre você e, provavelmente, você também não sabe muito sobre mim, mas isso parece se tornar irrelevante quando nos trombamos em olhares. Nós nunca conversamos sobre nós, apenas sobre coisas da vida e do nosso cotidiano, sendo sob a luz ou sob a escuridão. Nunca nos encontramos ou conversamos fora da Servidão Moderna, mas, em nossos frequentes (e inevitáveis) encontros oculares, discutimos sobre essa estranha circunstância. Existe algo que talvez você não saiba, então lhe direi e tentarei ser breve: não acredito nos relacionamentos amorosos, porém desde a nossa mística colisão, questiono tudo isso e a mim mesmo sobre tais 'aparências'.

Não sei se é o seu olhar. Não sei se é a simetria do seu rosto. Não sei se é o desenho do seu corpo. Não sei se é a sua voz e o seu jeito de se expressar. Não sei se te persuadi a tudo isso, ou se você me persuadiu a tudo isso. O fato é que não fizemos e não fazemos nada sobre nós, apenas nos confundimos e nos estranhamos rotineiramente.

Os dias passam, as horas voam e a cada milésimo de segundo, lentamente, nossos disfarces, nossos medos, nosso orgulho e nossa ignorância vão se quebrando e se dissipando diante da inevitável natureza das coisas."