sábado, 5 de outubro de 2013

Accetta te stesso

A aceitação, provavelmente, é um dos maiores e mais difíceis processos de amadurecimento que o ser humano há de conviver. 

Não digo aceitar tudo simplesmente como fato verdadeiro e rapidamente digeri-lo; digo: aceitar as condições do agora; aceitar as limitações, os defeitos e as condições financeiras/sociais; aceitar as condições físicas e biológicas. 

Não posso ser o melhor exemplo, ou alguém que tenha realmente total noção e dimensão do que é aceitar certas questões, mas o que eu tenho certeza é que o fato de não encararmos o processo de aceitação, nos mantém claramente mais amargos, enferrujados, vulneráveis, cegos, dificultosos e propícios ao declínio de nós mesmos. 

Aceitar-se não é se acomodar com o que já tem; não é criar voo sem asas! É preparar-se dignamente para o que tens a buscar e receber. 

Aceitar-se é olhar pra si mesmo e reconhecer-te como um ser vivo e apto a necessária expressão. 

Aceitar-se é abstrair a vivência puramente verdadeira. 

Aceitar-se também é ter a coragem de assumir a postura de sua personalidade, independente das consequências.

A revolução começa dentro, e não lá fora!