segunda-feira, 12 de agosto de 2013

I: Tempio di me

Sou um Templo! Um Templo em constante contemplação. Procuro eliminar e varrer toda poeira velha para que haja possibilidades de novas e sábias experiências neste que aqui habito. 

Tento sempre sair e passear fora do meu Templo, expondo um pouco de minhas conclusivas contemplações. Inevitavelmente, acabo sempre tentando trazer e buscar alguém para contemplar-me, mas logo reconheço o quanto isso se faz de uma necessidade artificial, visto que acabei esquecendo de eliminar toda a poeira de meu Templo. E logo, voltando a mim mesmo - ao meu Templo - me questiono: como posso permitir que alguém entre em meu Templo sem ao menos arrumá-lo?